O consumo de açucares na infância – Por Dra. Miriam Duarte Barros

images

Sabemos que o açúcar em excesso é perigoso para qualquer idade, e devemos tomar muito cuidado com isso principalmente na infância. Seu consumo em excesso pode provocar aumento de peso e consequentemente aumentar o risco de doenças como diabetes, alterações cardiovasculares, alterações no fígado, obesidade e câncer na fase adulta.

Segundo o Ministério da Saúde, crianças menores de 2 anos não devem consumir açúcar refinado, ou alimentos preparados com o mesmo, como doces em geral, balas, chocolates, achocolatados, sucos industrializados, etc Lembrando que é nesta fase que os hábitos alimentares da criança estão se formando. Devemos lembrar também que esses alimentos contêm maior valor energético, aumentando assim o consumo de energia, levando ao aumento de peso inadequado.

É na fase da infância que os pais devem ter um cuidado redobrado no consumo desses alimentos industrializados. Devido a comodidade dos pais, a maioria coloca no lanche escolar sucos industrializados, bolos, biscoitos recheados ou amanteigados, salgadinhos, ou até mesmo as crianças compram nas cantinas alimentos confeccionados com açúcares simples, ao invés de optarem por frutas, sucos naturais, sanduíches integrais.

Os alimentos como: frutas, cereais integrais, verduras e legumes e raízes apresentam açúcares do tipo complexos em sua composição, mais saudáveis para o consumo, o que deveriam ser consumidos pelas crianças ao invés dos refinados.

O que vem ocorrendo nos últimos anos é que o consumo pelos alimentos industrializados ricos em açúcares vem aumentando cada vez mais na infância, apresentando um número cada vez maior de crianças com excesso de peso na fase escolar, evidenciando também dislipidemia (colesterol e triglicérides alterados), além de hipertensão arterial nessa faixa etária.

Se eu quero mais saúde para meu filho, vou oferecer alimentos mais saudáveis para ele. Então, vamos melhorar a alimentação de nossos filhos.

Fonte: Dez passos da Alimentação para menores de 2 anos – MS

Nutrição da Gestação à Adolescência – Márcia Regina Vitolo

Rev Saúde Pública: Consumo infantil de alimentos industrializados e renda familiar na cidade de São Paulo –  Rita de Cássia de Aquino e Sonia Tucunduva Philippi

Dra Miriam Duarte Barros : Nutricionista formada pelo Centro Universitário São Camilo, Especialista em Nutrição Clínica pelo GANEP e Tutora do Método Canguru pelo Ministério da Saúde, Nutricionista da Secretaria do Estado da Saúde de Sergipe lotada na Maternidade de Alto risco Nossa Senhora de Lourdes.
Contato: miriam@oncohematos.com.br – Tel (79) 3224-7214 – Aracajú – SE

 

Anúncios

ALIMENTAÇÃO NO PERÍODO ESCOLAR (7 a 10 anos) – Por Miriam Duarte Barros

abc-apple

A idade escolar compreende o período da vida que se estende dos 7 aos 10 anos de idade. Nessa fase, o crescimento é lento, porém constante, mas ocorre um aumento do tecido adiposo em ambos os sexos, sendo um preparo para o estirão na puberdade. Também nessa fase, inicia-se a dentição permanente, sendo de extrema importância reforçar os bons hábitos alimentares e de higiene, a fim de prevenir a ocorrência de cáries dentárias e outros problemas de saúde.

No período escolar, a criança já apresenta uma autonomia sobre a alimentação, podendo afetar seu Estado nutricional, quando esta estiver inadequada.

A obesidade pode iniciar nessa faixa etária, justamente pelos maus hábitos alimentares, como consumo de alimentos processados, industrializados, ricos em gorduras saturadas, refrigerantes e doces em geral. A inadequação alimentar à longo prazo pode ocasionar distúrbios alimentares, como: obesidade infantil, dislipidemias, anemia, constipação intestinal entre outros problemas, afetando o Estado Nutricional.

O sedentarismo nessa faixa etária, também pode contribuir para obesidade, pois a atividade física pode ser substituída pelo uso do computador, pelos videogames, televisão e etc., prejudicando a saúde da criança.

Os hábitos alimentares nessa faixa etária estão relacionados não somente aos hábitos familiares, mas sim dos grupos na qual essa criança participa incluindo colegas de escola.

Abaixo podemos observar algumas recomendações para a alimentação do escolar.

Recomendações gerais:

  • Orientar a criança a realizar 6 refeições/dia (café da manhã, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde, jantar e ceia);
  • Evitar o consumo de líquidos durante as refeições, reirando sucos industrializados e refrigerantes; preferindo suco de frutas natural 30 min após a refeição;
  • Evite oferecer alimentos tipo fast foods, salgadinhos, balas, doces em geral; proibir pode torná-los mais atraentes. Ensine a criança a consumir os alimentos mais saudáveis;
  • Ensine a criança a preparar os lanches da escola, mostrando a importância daquele alimento;
  • Nessa idade, a criança prefere comprar os lanches na escola, limite-se 1x/semana a compra do lanche;
  • Ofereça alimentos como frutas, vegetais, leguminosas, carnes magras, peixes e aves com frequência, variando bem o cardápio;
  • Oferecer sobremesas como doces com pouca frequência;
  • Evite oferecer biscoitos recheados ou amanteigados, prefira biscoitos integrais ou ricos em fibras;
  • Evite ao máximo oferecer lanches em substituição à refeição, principalmente os fast foods, prefira sanduíche natural com ingredientes saudáveis.

Fonte: Manual de Orientação do departamento de nutrologia (Sociedade Brasileira de Pediatria);

Nutrição da Gestação à Adolescência – Márcia Regina Vitolo

Imagem: Internet

***

Dra Miriam Duarte Barros : Nutricionista formada pelo Centro Universitário São Camilo, Especialista em Nutrição Clínica pelo GANEP e Tutora do Método Canguru pelo Ministério da Saúde, Nutricionista da Secretaria do Estado da Saúde de Sergipe lotada na Maternidade de Alto risco Nossa Senhora de Lourdes.

Contato: miriam@oncohematos.com.br – Tel (79) 3224-7214 – Aracajú – SE