Mãe da Semana: Beatriz Andrade – Você sabe o que é Displasia do Desenvolvimento do Quadril?

A mãe da semana é a Beatriz, mãe da Helena de 1 ano, que foi diagnoticada com Displasia do Desenvolvimento do Quadril, a história dela é interessante, porque um simples aparelho ortopédico mudou a vida da  pequena Helena, evitdando que ela tivesse que passar por cirurgias.
***

Há pouco mais de um ano ganhei o melhor presente que poderia sonhar, a minha pequena Helena. Quando a Lelê nasceu, a alegria foi indescritível, mas acompanhada também de muita preocupação. Por ter permanecido na posição pélvica (sentada) durante toda a gestação, minha bebê apresentou Displasia do Desenvolvimento do Quadril (DDQ) – uma instabilidade ou frouxidão da articulação do quadril (coxo-femoral). Por esse motivo ela precisou usar um suspensório ortopédico que mantinha as suas perninhas abertas por 2 meses, até que o quadro fosse normalizado.

 

Durante o tratamento só podíamos tirar o suspensório para dar banho. A troca de fralda era uma dificuldade e as roupinhas que comprei no enxoval, muitas não pude usar. Além de todas as novidades da maternidade, fazer as atividades do dia-a-dia sem forçar o fechamento das perninhas da Lelê tornava tudo um pouco mais complicado – principalmente para uma mãe de “primeira-viagem”!

Contudo, essa preocupação com a nova rotina era pequena comparada com as incertezas e dúvidas relacionadas ao tratamento e a recuperação da Helena.

 

Se diagnosticada precocemente, na grande maioria dos casos, a DDQ é tratada apenas com o uso do Suspensório de Pavlik, como aconteceu com a Helena. Porém, muitas crianças são diagnosticadas tardiamente e precisam ser submetidas a cirurgias, imobilização do quadril com gesso (por meses), dores e muito sofrimento.

suspensorio de

 

A falta de informação é um agravante para os diagnósticos tardios. Antes de ter descoberto a Displasia de Quadril da minha filha eu nunca tinha ouvido falar sobre o assunto. Conversando com outras mães que passaram pela mesma situação, percebo que elas também não. Quanto mais divulgada for a DDQ e seus fatores de risco, menos crianças serão submetidas a tratamentos invasivos que poderiam ser evitados com o uso do suspensório durante os primeiros meses de vida.

 

Alguns bebês são diagnosticados ainda na maternidade por meio das manobras de Ortolani e Barlow. Nesses casos, o médico descobre um “clique” no quadril, que indica uma possível luxação. No caso da minha filha as manobras não detectaram a Displasia, pois seu quadril estava subluxado. Por isso, só descobrimos por meio de um ultrassom da região, solicitado pelo ortopedista pediátrico.  

 

Portanto, mamães, atentem-se aos fatores de riscos listados abaixo.

 

  • História familiar de displasia de quadril.
  • Posicionamento pélvico no útero materno.
  • Torcicolo ou má formação no pé.
  • Peso ao nascimento superior a 4,200kg
  • Idade materna superior a 35 anos.
  • Um “clique” no quadril.

 

Se você se encaixar em alguma dessas situações, questione o pediatra. E se ainda sim tiver alguma dúvida, agende uma visita ao ortopedista pediátrico. 

 

Não corram o risco de ver seus filhos com dificuldade para andar, dores no quadril e com grande chance de desenvolverem osteoartrite e outras patologias na fase adulta. 

 

Apesar das dificuldades da rotina com o Suspensório de Pavlik, nada se compara a felicidade de saber que um simples aparelho ortpédico evitou um grande sofrimento futuro.

 

Agradeço ao “Mães em Ação” pela oportunidade de divulgar o assunto!  
 

 

 

Anúncios

3 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s