Mãe em ação da semana: Laís Mendonça – Como voltar a estudar depois de ter um bebê?

By
Laís Mendonça, mãe do Kauã
A mãe dessa semana é a Laís Mendonça, mãe do Kauan, de 1 ano e 2 meses, como já contei a vocês eu participo de vários grupos, e leio as histórias das mamães membros deles, e algumas histórias me chamam a atenção pelo fato de eu não as ver sendo abordadas em outros lugares. A história da Laís me chamou a atenção, não por conta dela ter sido mãe adolescente, nem pelas intercorrências da gravidez dela, mas sim pelo fato de como é difícil voltar a estudar com filho pequeno. Como é uma batalha diária para nós mães ficar longe dos nossos filhos, tanto para trabalhar como para estudar, e em alguns casos trabalhar e estudar, é sempre bem dolorido. Só com muita força de vontade, apoio da família e determinação isso é possível. A Laís continua estudando e se Deus quiser conseguirá fazer a tão sonhada faculdade.
***
Vou contar um pouco da minha história . Engravidei aos 14 anos, eu estava namorando há 3  meses, e um dia comecei a sentir dores de cabeça, resolvi comprar um teste da farmácia, porém ele deu negativo, só aquele teste não foi suficiente para mim, eu sentia que eu estava grávida, então fiz mais um deu negativo, então, foi quando a minha avó decidiu que eu deveria fazer o exame de sangue, fui tremendo fazer. A tarde já estaria pronto! Foi a tarde mais longa da minha vida, de muita ansiedade.
Como meu marido tinha ido trabalhar, uma amiga foi comigo buscar o exame, eu estava muito nervosa.
Quando peguei o exame, pensei, aqui estará a confirmação! No momento em que eu abri o resultado do exame eu estava no meio da rua, não aguentei esperar. Lá estava meu positivo, naquele exato momento, olhei a minha amiga chorei e ri ao mesmo tempo de alegria. Ela me disse deu positivo… Choramos juntas, foi um momento perfeito de alegria misturado com medo, mas chegando em casa minha mãe me disse se você está grávida quer dizer que vou ser ser vovó?  Ela ficou muito feliz, não aguentei de ansiedade, liguei para o meu marido e disse: Amor, você vai ser papai,  eu só ouvi ele chorando pelo telefone.
Só que tinha um problema, eu estava morrendo de medo de contar para o meu pai, então quem contou foi minha mãe. Ela disse a ele: Amor, você vai ser vovô.. Naquele mesmo instante, eu vi a cara dele bem nervosa olhando para mim, ele não disse nada, saiu da sala bem nervoso. Aquilo me magoou muito. Ficamos 2 dias sem nos falar. Ele me olhava só de cara feia, até que eu cheguei nele e disse: Pai você vai ser avô. Não está feliz? Ele disse: Filha, eu queria que você tivesse um futuro, terminasse de estudar, antes de engravidar, mas se você engravidou, seu filho será muito bem vindo e amado. Fiquei super feliz, tive apoio da minha família toda e dos meus amigos.
Logo minha barriga foi crescendo, ele começou a chutar,  não parava um segundo até que com 6 meses a minha gestação foi ficando complicado, um dia quando estava andando na rua,  senti as primeiras contrações, dores fortes demais , então decidi ir ao médico e meu líquido não para de sair, uma água branca, sem cheiro, a cada 2 minuto eu  ia ao banheiro. Fiz exame de toque e deu um dedo de dilatação, então tomei soro voltei em casa e fiquei a tarde toda dormindo. À noite voltou a sair mais líquido e fui ao pronto socorro, fiz de novo o exame de toque, e o médico do pronto socorro me disse para eu ir ao meu médico e fazer um ultrassom, a minha avó ficou tão nervosa, que fomos a uma unidade particular e  pagamos 200 reias para chamar um GO, e ele disse que não podia fazer nada, que o bebê estava encaixado, e o líquido estava alto, ele recomendou repouso absoluto e aguentei até 39 semanas 2 dias. 
No dia 16 de junho de 2014 foi dia da consulta, minha pressão estava 16, ela não parava de subir, então médico ligou na emergência e desmarcou todas as cirurgias para fazer meu parto, só que na hora eu estava tão nervosa que a ficha não caiu , eu perguntei ao médico vai ser hoje doutor? E ele disse sim, vá buscar suas coisas, o seu bebê vai nascer.  Será um parto de urgência por causa da sua pressão, o bebê corre risco de vida.
Liguei para meu marido e disse amor hoje nosso anjinho está vindo ao mundo, ele não acreditou,  eu disse venha logo porque será uma cesárea de urgência. Ele logo chegou junto com a minha mãe, meu irmão e minha melhor amiga, todos ansiosos. Me preparei para o parto enquanto a  minha família entrou na igrejinha do hospital, eles pediram a Deus que iluminasse meu parto.
Graças a Deus ocorreu tudo bem, minha mãe estava ao meu lado naquele momento único e perfeito, a hora que ouvi ele chorando meus olhos se encheram de lágrimas,  abri  um sorriso e agradeci a Deus por nos salvar e ter ocorrido tudo perfeito. Naquele momento único onde mãe e filho tem seu primeiro toque, beijei ele  na testa, foi incrível emocionante , mais nossa luta não tinha acabo teria muitas pela frente e meu Amorzinho não pegava meu peito, porque não tinha bico e a enfermeira não dizia nada, ele pegava tudo errado, machucou meus seios eu dava de mamar gritando de dor até que no dia seguinte ele pegou o meu peito, mas eu não tinha muito leite, ele mamava dia todo e chorava.
As enfermeiras diziam que ele tinha que mamar  e que nos primeiros dias ainda não era o leite,  e meu Amorzinho saiu da maternidade pensando só 2 kg 300 ele nasceu com 3kg 565 e 47 cm, isso já estava me deixando super triste no dia segguinte sai do hospital. Em casa meu filho chorava até ficar vermelho e fiquei preocupada e levei ele no hospital pensando que era cólica, meu anjinho estava com chupeta na boca mais parecia estava morrendo de fome e o médico quis vê como estava leite até que ele aperto o peito infelizmente saiu um pingo de leite nada mais que isso, então o médico me disse: mãe isso não é cólica é fome, seu leite não está sendo suficiente. Ele me orientou a dar mamadeira e  ele mamou sua primeira mamadeira com 4 dia de vida, mais mesmo assim dava peito ele fez peito de chupeta e ficava a noite toda grudado no peito. Então, minha mãe me disse tira ele do peito que ele só tava fazendo de chupeta, não sai nada mesmo, mais tinha um pouco, e assim que tirei ele do peito meu leite secou.
Só que para mim, meu sonho era dar o peito, eu queria muito mais não tive essa sorte e logo tive que acostumar com isso, me sentia menos mãe, entrei leve depressão, que mistura várias coisas, mais graça a deus conseguir vencer depressão porque eu tinha um anjinho para amar, cuidar e proteger, meu ajinho fica muito doente, vive com gripe forte , quando ele fez 11 vezes foi mês mais difcil e complicado fico 1 mês inteiro doente tomando antibiótico nada de ficar bem, e ainda para ajudar ele teve uma diarréia forte, não comia, não bebida leite, nem agua até que deu desidratação e foi internado. Nossa!!! Foi o pior dia da minha vida, ver meu bebê tomando soro na veia chorando, e eu  não podendo fazer nada, só sendo forte para cuidar dele.
Ele foi internado 1 semana antes da festa de 1 ano, eu  estava morrendo de medo do meu Amorzinho não melhorar, mais uma noite no hospital a carinha dele mudou graça a Deus, mas a noite que ele melhorou  foi muito dificil, o tubo que leva soro até ele estourou, ele estava perdendo sangue, fui atrás de enfemeira, não achei nos ninguém, quando eu estava  estava voltando para o quarto desesperada, gritei e  um homem estava cuidando do Pai que estáva internado veio me ajudar, eu falei moço me ajuda meu filho esta perdendo sague, ele começo gritar meio do corredor até que apareceu faxineira que foi correndo chamar a enfemeira, Graça a Deus ele não perdeu muito sangue, depois de tudo isso, ele teve alta.
Depois de ficar internado, chegou a festa de 1 aninho, foi tão lindo tão perfeito, cada pessoa veio comemorar primeiro aninho do meu amor, na hora do parabéns eu chorei muito lembrei tudo que vivemos tudo que vencemos mais importante de tudo isso que vencemos junto, com o apoio da minha família,  se não fossem eles eu não sei que seria de mim e do meu filho.
Para mim un dos momentos mais difíceis além da internação foi quando meu filho fez 4 meses e eu  tive que voltar a estudar, só que era tudo complicado pois meu marido trabalhava, minha mãe trabalhava, era muito cedo para colocá-lo na creche,  minha cunhada resolveu me ajudar a cuidar dele, só que ela não tinha muita experiência, no começo ele não ficava sem mim,  ela tinha que ficar levando ele toda hora na ele para mim, então eu resolvi parar de estudar, só que a diretora da escola ligou para minha casa, falando que como eu sou menor de idade, o Conselho Tutelar iria até minha casa seu eu não voltasse a estudar, então, eu e a minha mãe conversamos com a diretora da escola e ficou definido que eu ficaria em casa fazendo trabalhos escolares, e assim fiquei o ano passado inteiro.
Só que esse ano voltei a estudar no período da manhã,  mais eu não ia muito para escola, faltava muito porque meu filho ia dormir por volta da 1 h da manhã,  com isso,  eu não conseguia levantar cedo e a tarde ele não dormia, eu também não dormia, então não estava aguentando, então decidi trocar de escola e estudar a noite. Com essa mudança, agora minha mãe fica com ele a noite para eu estudar e Graças a Deus não precisei parar de estudar, faltam ainda 2 anos, mas quando eu acabar o ensino médio, vou fazer minha faculdade.
Esse foi resumo da minha história após ser mãe, eu  digo com todas as letras foi a melhor escolha que fiz em minha vida, sendo mãe tão jovem fez com que eu crescesse e amadurecesse muito rápido, sou muito grata ao meu filho que  meu mostrou o lado mais lindo da vida, que é o  amor mais forte e verdadeiro que é o de uma mãe e seu filho. 

E aí, gostou da nossa publicação?

Compartilhe com seus amigos e família e não deixe de curtir nossa página no Facebook Mães em ação , assim você fica por dentro de tudo o que rola no mundo das mães!

Anúncios